instinto
Dr. Guaracy Rosa

Dr. Guaracy Rosa

Instinto

No Monismo a presença da alma em todos os seres viventes explica todo comportamento inato desses seres, pois a alma encerra todos os atributos divinos, ou seja: onipresença, onisciência e onipotência.

Pela onipresença, a alma é a fagulha divina presente em todos e a onisciência é a inteligência “Dele” se manifestando na forma de instinto e a onipotência é o resultado da vontade “Dele”.

Esses atributos estão presentes desde o início de todas as criaturas impulsionando sua evolução, proporcionando condições de sobrevivência e manutenção, portanto, os seres são veículos de transporte “Dele”, Deus à sua origem ou à volta do filho pródigo.

A onisciência é o conhecimento pleno presente no átomo, nas constelações planetárias, enfim, no microcosmo e no macrocosmo e é ela que promove o equilíbrio do universo como lei pétrea, pois sem o equilíbrio nada existiria.

Essas explicações justificariam a teoria de Charles Darwin, por exemplo, as descobertas científicas pelos expoentes da ciência como Dalton, Pasteur, Einstein e outros que, na condição de seres humanos demonstraram essa onisciência, tão evidente nessas pessoas. Lembramos as figuras dos profetas e das encarnações divinas, como Jesus, Buda, Ramakrishna, entre outros, que foram a onisciência mesma.

A onisciência explica tudo, deste as descobertas de Darwin até a descoberta da energia nuclear.

Vamos analisar a onisciência atuando no ser humano: quando temos fé, é na alma que se origina essa fé, é vontade ou desejo da alma e, esse desejo desencadeia uma série de eventos e nosso organismo se dispõe à realização desse desejo, mobilizando recursos interiores e ambientais para realiza-lo, as vezes, se utilizando de sua onipotência.

Na atualidade, o cientista Hernani Guimarães Andrade propõe uma teoria muito convincente para explicar esse mecanismo da vontade da alma: propõe a existência de um fator “psi” ou psi-gamma (ESP) – Percepção Extra Sensorial, e psi-cappa ou PK, que é a resultante; simplificando, a ordem oriunda da onisciência ativaria esse mecanismo, que sempre esteve presente nas espécies, desde as formas primevas, quando ainda não existiam os órgãos sensoriais.

A potencialidade se origina de nossa estrutura atômica, pois somos um verdadeiro dínamo e produzimos energia eletromagnética que pode ser direcionada positiva ou negativamente.

A onisciência é que mantém nosso organismo funcionando de forma automática por toda uma vida, acionando funções altamente sofisticadas através do cérebro, com suas sinapses, hormônios, reações bioquímicas e biofísicas, sem que o indivíduo tenha consciência desses eventos.

Essa forma automática, da ação da onisciência, explicaria a maravilhosa conduta materna na atenção e proteção de sua prole, que é observada mesmo em espécies mais inferiores como nos pássaros.

A onisciência atua em várias dimensões, possui a característica de visão transcendental ou superconsciência que alcança o conhecimento cósmico, isto é, conhece tudo, desde as menores partículas do átomo até os destinos do universo e de nossas existências e individualmente traça nossos destinos até nosso retorno à casa do Pai.

No comando de nossas vidas a onisciência está presente em todas as espécies e atua de acordo com o seu grau de evolução e se a espécie ou o ser humano é inferior, poderá agir de forma também inferior com características agressivas, pois a hierarquia é mantida.

Quando atingimos a condição de seres humanos a nossa onisciência é que programa nossa trajetória evolutiva através de vidas sucessivas, portanto, somos nós mesmos que delineamos a roda das reencarnações, imprimindo em nosso corpo espiritual (perispírito) nossas conquistas, resgates e consequências cármicas, pois a contabilidade divina é de máxima precisão, lembrando Lucas 12:7: “Até mesmo os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados”.

Ainda ela (a onisciência) é que controla as bilhões de células do nosso organismo com maestria, controlando suas funções bioquímicas, biofísicas, bem como o catabolismo (excreção); controla, também os bilhões de bactérias que vivem no interior de nosso organismo, compondo a flora normal, chamada saprófita (inofensiva) que ajuda nosso organismo na assimilação e aproveitamento dos alimentos ingeridos numa perfeita simbiose.

Tudo isso ocorre sem que tenhamos consciência e de forma automática. Para finalizar, realçamos a importância da onisciência em nossas vidas e como poderíamos sobreviver sem ela?

Dr. Guaracy Rosa

Dr. Guaracy Rosa

Formado em Odontologia. Professor de Farmacologia. 48 Anos Carreira Universitária. Integrou Corpo Docente da USP. Doutorado em Farmacologia.

Compartilhe esta postagem
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email